As postagens desse blog são em caráter informal, de apego ao saber popular, com seu entusiasmo, exageros, ingenuidade, acertos e erros.
Mostrando postagens com marcador Literatura. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Literatura. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Contos que lhe conto (César Bernardo de Souza)

Nesta obra, misto de contos e crônicas, o autor reuniu narrativas cuja temática vão de temas amazônicos, passando pelas memórias e reminiscências de sua terra natal Volta Grande.
Há muita sutileza nas narrativas
que ora são publicadas nessa coletânea, como poderá ser percebida pelos leitores. O estilo chama bastante atenção, pois é através de uma técnica que lhe é inerente que ele consegue superar os desafios de contar uma história aparentemente linear e, através de níveis de tensão intercalados, vai urdindo a trama e capturando a atenção do leitor, que se envolve inteiramente no corpus do texto.  
PAULO TARSO



Título: Contos que lhe conto
Autor: César Bernardo de Souza
Editora: Tarso
Ano: 2017
Páginas: 158  

Sumário:
     Contos
     - O recado de Eutáquio
     - O empresário que sumiu na internet
     - Hospital
     - Os conselhos do Boquinha
     - Diamanteiro
     - Convencimento
     - Calcinha furada
     - Cárcere Senza Ferro 
     - Raízes de Fartura
     Crônicas
     - Inconfidência Nacional 
     - Ilhinha
     - Zabela é de morte
     - Mmaarrcciinnhhaa!!!!
     - Dilma peito de aço
     - O meu caso de amor
     - Aposentadoria animal
     - Amores inexistentes
     - Vacas e bois... em Volta Grande
     - Como vota Vossa Excelência?
     - Meu espírito igovernável
     - Ministro César Bernardo
     - A surra do mineiro!!!
     - Cão, música e china
     - Naquele tempo?
     - Cansados de viver
     - Sementes de dor
     - O ECA cuida das crianças das "Cracolândias"?
     - O boi que paga o pato

César Bernardo, mineiro radicado no Amapá desde os anos 70, é conhecido como excelente comentarista, com posicionamentos instigantes, especialmente pelo conhecimento em diferentes áreas, resultante em algumas importantes obras científicas para o Amapá. Aspectos que também se refletem nas crônicas e contos desse livro. 
O texto é envolvente, construindo-se em lembranças, crítica social, homenagens e devaneios em situações diversas, extraindo aprendizagens e reflexões de fatos testemunhados ou direcionados a uma mensagem.
Dos contos, nove ao todo, gostei principalmente de O empresário que sumiu na internet e Os conselhos do Boquinha. No primeiro, uma curiosa ilustração das vicissitudes e armadilhas do mundo digital, em drama cômico de realidade comum. No segundo, a aprendizagem em árdua experimentação, subentendendo a oportunidade de reflexão e conclusão antes de equivocado caminho.
As crônicas são curtas, somando dezenove, a maioria caracterizada como momentos inusitados ou introspectivos vivenciados pelo autor, sempre com fundamentação crítica. Deixo em registro Sementes da dor, um texto singelo, poético, emotivo, numa homenagem a jovem amigo vitimado pelo câncer. O autor é também conhecido por lutas, esclarecimentos e mobilizações nessa área.

Bela obra!  

sábado, 3 de agosto de 2019

O Rio Jari no curso da história (Cristovão Lins)


Cristovão Lins dá mais uma vez importante contribuição para a história amapaense, principalmente no Vale do Jari, como bom escritor, pesquisador e conhecedor do passado do Amapá. Suas pesquisas sobre Daniel Ludwig resgatam uma dívida não só nossa, mas do Brasil, para com um homem que investiu nesta região, tida um sonho, e foi um pioneiro cujo exemplo merece nossa eterna gratidão.
Neste livro Cristovão Lins renova seu conceito de historiador e grande nome da nossa literatura, que honra o Amapá e enriquece as letras nacionais.
(José Sarney)

Título: O Rio Jari no curso da história
Autor: Cristovão Lins
Editora: Daudt Design Editora
Ano: 2015
Páginas: 132

Sumário:
Parte 1 - Breve História da Amazônia
     Capítulo 1: Formação e características da região
     Capítulo 2: Os primeiros tempos das terras do Grão-Pará (1616-1751)
     Capítulo 3: O segundo período colonial (1751-1820)
     Capítulo 4: A Amazônia do Século XIX
     Capítulo 5: Os empreendimentos pioneiros do Século XX
Parte 2 - A região do Jari
     Capítulo 6: Os povos indígenas da região
     Capítulo 7: O império extrativista de José Júlio de Andrade
     Capítulo 8: A Vila São Francisco de Iratapuru
     Capítulo 9: O polêmico "Projeto Jari"
Parte 3 - A UHE Santo Antônio do Jari
     Capítulo 10: Histórico do empreendimento
     Capítulo 11: O projeto da usina
     Capítulo 12: Características técnicas
     Capítulo 13: A construção da usina
Parte 4 - Os Estudos Ambientais
     Capítulo 14: O Estudo de Impacto Ambiental (EIA)
     Capítulo 15: Características das áreas de influência da usina
     Capítulo 16: O Plano básico Ambiental (PBA)
     Capítulo 17: As melhorias nas vilas da redondeza

Sobre o Autor:
Natural de Monte Alegre (PA), o escritor e historiador Cristovão Lins é autor de outras importantes obras sobre a região amazônica, como:
- Amazônia: as raízes do atraso
- Jari: 70 anos de História 
- Amazônia: História, Lendas e Crônicas de Monte Alegre
- A Jari e a Amazônia
 
A região do Jari, entre o sul do Amapá e norte do Pará, é caracterizada por riqueza de bens naturais, historicamente exploradas em fases com peculiaridades e representatividade regional.

Este livro tem proposta interessante, cujo objetivo revela-se promocional à Usina Hidrelétrica de Santo Antônio do Jari, recentemente instalada e em operação. Vemos o processo licenciatório, perspectivas, etapas estabelecidas e desenvolvidas, a tecnologia de funcionamento (que preservou a lendária e belíssima Cachoeira de Santo Antônio da destruição total), caracterizações do lago formado e outras informações correlacionadas ao meio ambiente e população local, como o remanejamento de ribeirinhos para nova vila.

O que torna o livro interessante, além do parecer elucidativo sobre a usina para o público em geral, é o contexto onde se insere essa história. O autor, através de valorosa pesquisa, resgata a história regional, pontuando particularidades representativas de cada momento, onde percebemos ponto crítico de resolução fundamental, referente a carência energética.

A maior parte do livro aborda aspectos históricos da Jari, desde a ocupação colonial, destacando as fases do coronel José Júlio de Andrade (marcada principalmente pelo extrativismo da castanha no início do século 20), a fase dos investidores portugueses (entre as décadas de 1940 e 1960, também marcada pelo extrativismo, em processos não racionais, como a valorização da indústria do couro através da caça predatória) e a fase de Daniel Ludwig, que adquiriu a administração entre 1967 e 1982, instalando megaempreendimento denominado Projeto Jari (com múltiplos investimentos, em especial, a implantação da fábrica de celulose no final da década de 1970).
Na atualidade, o Grupo ORSA administra a fábrica e, ao longo dessa história, percebemos mudança de modelo extrativista para valorização tecnológica a partir de Ludwig, onde o déficit energético contribuiu para insucessos e essencial instalação da usina.
O processo mostrou-se árduo e outra parte importante está no paralelo entre as metas do projeto, sob administração de Ludwig, e a resistência do governo militar brasileiro. História com desdobramentos curiosos. D
estaque para instalação da fábrica, sem paralelos no mundo, com 87 dias de navegação em balsa, oceânica e fluvial, do Japão ao porto da vila Munguba.

A obra é ricamente ilustrada, apresenta encadernação luxuosa em capa dura, riqueza de informações, constituindo-se em valora fonte de pesquisas sobre a história da Jari.


Algumas ilustrações do livro:
Grupo de índios amazônicos pescando e cozinhando à beira do rio.
(Gravura de autor desconhecido)
Inteiramente construída no Japão, a fábrica de celulose foi transportada por 28 mil quilômetros até a Amazônia. (Acervo EDP)
 Vista aérea dda cidade de Monte Dourado, tendo ao fundo a comunidade de "Beiradão", atual Município de Laranjal do Jari.(Foto: Loren McIntyre)

 Vista aérea da fábrica de celusose e a unidade de força, tendo ao fundo a comunidade "Beiradinho" (1980), atual Municípiuo de Vitória do Jari. (Foto: Loren McIntyre)
A Vila São Francisco de Iratapuru era a primeira base de apoio para a coleta dos produtos da floresta. (Acervo EDP)
Estruturas originais da Vila Santo Antônio da Cachoeira e as novas construções implantadas em 2001. (Acervo EDP)
 Vista panorâmica da nova Vila São Francisco do Iratapuru. (Acervo EDP)
Com 1.500 metros de comprimento, o vertedouro da UHE Santo Antônio do Jari é um dos maiores do mundo em extensão. (Fonte: Pequi Filmes Ltda - EPP)
 A Usina Hidrelétrica de Santo Antonio do Jari.(Fonte: Pequi Filmes Ltda - EPP)

UMA SUGESTÃO DE LEITURA DA
 BIBLIOTECA AMBIENTAL DA SEMA EM MACAPÁ

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Carolina Maria de Jesus

Carolina Maria de Jesus (1914-1977), mineira, nascida em Sacramento, foi uma das primeiras escritoras negras do Brasil, considerada das mais importantes do país. Viveu boa parte de sua vida na favela do Canindé, na zona norte de São Paulo, sustentando a si mesma e seus três filhos como catadora de papel. Em 1960 teve seu diário publicado sob o nome "Quarto de Despejo: diário de uma favelada", com auxílio do jornalista Audálio Dantas. O livro fez enorme sucesso, sendo traduzido para vários países e catorze línguas. Também foi compositora, poeta e sua obra permanece objeto de diversos estudos, tanto no Brasil quanto no exterior.
Fonte:
Wikipédia

Fonte: Revista Galileu

Nas férias de Julho, aproveitei para ler suas obras. Quatro foram publicadas pela autora e as demais de maneira póstuma.


Uma obra que impacta e sensibiliza sobre determinada realidade social brasileira. Os relatos são viscerais, em meio de desafios diários e ferrenhos à sobrevivência e dignidade humana. Tudo o que havia lido sobre o livro se confirmou, contudo, a leitura ainda reservou surpresas, que se expressam na percepção de mundo que mistura simplicidade, certa ingenuidade e, sobretudo, resiliência impressionante. É o que vemos em muitas frases e postura de Carolina...
Contextualizando, a obra foi publicada em 1960, com relatos de Carolina Maria de Jesus em sua vida na favela do Canindé (onde hoje se situa a Marginal do Tietê), registrados na forma de diário. Quando publicados, tiveram grande repercussão nacional e internacional, pela identidade da autora, que tinha vários elementos que a discriminavam (uma mulher semialfabetizada, negra, mãe solteira e favelada), pela estética da obra (mesclando simplicidade literária com experiências profundamente traumáticas) e pela realidade do contexto (pouco conhecido na dimensão exposta no livro). Carolina não é uma estudiosa da situação "no lado de fora", mas alguém do meio, com todas as marcas determinadas pelo contexto.
Algo que chamou a atenção foi o apego da autora pelos diários, como se os tornasse amigos confidentes em seus momentos de revolta, tristeza, dores, desamparo e desabafos, onde parecia reunir forças no raciocínio conclusivo em palavras. Há momentos em que fala do direcionamento dessas coisas, em seu meio, em realidade comum para a bebedeira, para a violência e para o suicídio, o que reforçava seu apego pela escrita, como escape. Percepção que se transforma em veracidade que cativa. A autora, metaforicamente, tem nos textos um amigo que a escuta e em quem deposita certa esperança, subentendida na divulgação em livro que alcance mecanismos que transformem a realidade a partir do conhecimento.
A fome é tema recorrente, praticamente um vilão na obra, com relatos desumanos, além da prostituição, violência, injustiça, preconceito, descaso político e outras facetas de uma sociedade marginalizada (o quarto de despejo, como a autora denominou a favela).
Falando em sociedade, a favela parece meio mais acirrado porque não tem a conotação de comunidade como se divulga e é vivenciado hoje. Era cada um por si, sem dó, nem visão comunitária, potencializando a solidão e desamparo de todos.
Um registro histórico importante é que o livro foi publicado através da ajuda do jornalista Audálio Dantas. Revela também a característica de muita discriminação no contexto, pois as portas se abriram somente através do repórter, não nas anteriores buscas de Carolina.
Nos primeiros capítulos é extremamente simples, para depois ter construções mais elaboradas. Vejo isso em razão do gradativo entusiasmo e apego da autora pelos escritos, e também na possível influência do jornalista, que conheceu a autora dois anos antes do livro ser publicado.  Registre-se que fez correções editoriais antes da publicação. Acredito, porém, que conservou a essência, em nada diminuindo a veracidade marcante do livro.
Algumas frases da obra:
"Li um pouco. Não sei dormir sem ler. Gosto de manusear um livro. O livro é a melhor invenção do homem."
"Gosto de fica sozinha e lendo. Ou escrevendo!"
"Se eu pudesse mudar dessa favela! Tenho impressão de que estou no inferno!"
"Está escrevendo, negra fedida!"
"...Eu fiz uma reforma em mim. Quero tratar as pessoas que conheço com mais atenção. Quero enviar um sorriso amável às crianças e aos operários."
"A fome é também uma professora."

Enfim, livro emocionante, para reflexão sobre realidade vivenciada na favela onde morava Carolina de Jesus. Transpõem, porém, esse limite, transformando-se num retrato de desamparo e luta do brasileiro.
Os relatos são muitos, não vou me deter em detalhamentos mais que isso. Leia o livro e tenha suas conclusões.


A leitura é significativa quando se deseja conhecer a biografia de Carolina. Isolado desse aspecto pode não parecer interessante. Foi seu segundo livro.
Cronologicamente, situa-se entre a ascensão meteórica da autora (que impactou o meio social e literário com o visceral "Quarto de despejo") e o ostracismo no qual caiu e morreu dentro de poucos anos.
Carolina, observadora detalhista do meio em que viveu por 12 anos (a favela Canindé, chamada por ela de quarto de despejo da sociedade) conta, em forma de diário também, realidade nova que sonhara e desejara, onde não há fome em seu lar e as portas se abrem para solução de suas dificuldades. Carolina saiu da favela para morar em uma casa de alvenaria em São Paulo.
O texto é essencialmente narrativo e as reflexões são subjetivas no olhar crítico do leitor, capaz de identificar (ou não) interesses escusos em volta da autora, numa busca de privilégios fáceis diante de sua repentina notoriedade. Tem também o meio preconceito, de maneira sutil ou escancarada, e a falácia política, que diferencia-se do "Quarto" pela ausência de personagens no contexto daquele, mas que assemelha-se na mesma inoperância de ações.
Ver o glamour nesse livro e pensar no antes e pós essa fase, é algo que também impacta. A notoriedade de Carolina era grande, com encontros com pessoas famosas (Pelé, Jorge Amado e Éder Jofre foram citados), destaque em bailes da sociedade, entrevistas a revistas famosas (nacionais e internacionais), adaptação do livro para o teatro. Muita coisa se mobilizou diante da fama de "Quarto de Despejo"...
Se naquele livro a pobreza era protagonista em facetas cruéis, principalmente a fome, neste a sociedade interesseira se projeta.
Curioso que, nos relatos do livro, há pessoas que se interessaram em conhecer a realidade retratada por Carolina, para depois querer se afastar numa sutil posição de repulsa quando testemunhou de perto.
Foi o que senti com o livro, aberto a discussões. É aquele tipo de leitura valorosa quando há percepção de seu contexto.
Num devaneio final, pensei também o seguinte: "Quarto de Despejo" é olhar de revolta, "Casa de Alvenaria" é olhar com ilusão e decepção. 



Romance caracterizado por simplicidade narrativa e reflexão sobre determinada realidade social. Não poderia ser outra se não a de vivência da autora, a favela. Carolina transforma suas experiências e observações numa história em que o leitor adentra esse contexto, envolto por sensações, impactos e percepções que talvez sejam descobertas, em um meio ainda muito ignorado de suas verdades atrozes na época.
Em sua simplicidade, o texto apresenta certa ingenuidade nas personagens, marcadas por visão de mundo centrada apenas em seu meio, com ações desencontradas fora dele, como se as coisas se resumissem apenas no que conheciam, ignorando-se e não dando importância ao que vá além desses limites.
Dois contextos são apresentados. Inicialmente o da vida privilegiada por quem tem dinheiro, representada pela família do coronel Fagundes, que tem certa notoriedade em sua região, num canto do país pouco detalhado pela autora. Depois a pobreza, que se torna crescente em perdas, dificuldades, decepções e experiências cruelmente desumanas, sendo ápice a mudança para a favela, onde Carolina, tal qual em "Quarto de Despejo", apresenta as mazelas e facetas rotineiras através do protagonismo de Maria Clara, uma Fagundes que acaba vivendo história de Cinderela às avessas.
A obra pode parecer clichê, em seus desdobramentos ingênuos para justificar a história, mas acredito que o termo mais acertado é uma visão empírica. É observação da autora no que o mundo cotidiano lhe revelava. Coisas como: rico explorando o pobre nas oportunidades surgidas; preconceito contra aquilo que é desconhecido; o pobre se colocando numa posição derrotada ante situações de desesperança quando não tem ideal; e, logicamente, retrato cotidiano da favela nas faces de fome, abandono, tristeza, sofrimento...

A autora sutilmente instiga que existem conceitos além da realidade vivenciada. No mundo dos ricos, por exemplo, há acusação aos desfavorecidos, como se fossem culpados. "Vivem nesse meio e mesmo assim tem muitos filhos!", é uma delas, quando "do outro lado" não existe nem o que comer dignamente no dia, quanto mais o mínimo de educação (como planejamento familiar). 
Da mesma forma no contexto da pobreza, imperam seduções recorrentes para práticas de vida direcionadas para coisas como: entrega à bebida, suicídio, violência, como se fossem inevitáveis. É aí que entra uma das abordagens corriqueiras de Carolina, que traz admiração como pessoa: é alguém que fala sempre de ideal - uma postura a buscar e cultivar, um caminho que vê ante as barreiras - é sua busca e valorização para a educação. "Quarto de despejo" traz essa proposta; em "Casa de Alvenaria" a parte mais interessante é a que fala que o homem tem que vestir ideal como roupa; seu livro "Provérbios" é uma ode a isso também; e agora nessa obra a mesma observância, como em sua postura ante o casal protagonista, quando diz que é um casal sem ideal.
História muito simples, imperativa para mensagem ideológica, sobretudo no pensamento do coronel quando reencontra a filha na favela, em que tece considerações similares a de políticos, mas nas proposições necessárias, não na descarada hipocrisia e inoperância. Certamente... Falou através dele Carolina, nas considerações e devaneios.
Não é uma história essencialmente romântica, é de aprendizagem (a duras penas) de uma realidade ignorada, através da vivência, quando Maria Clara, iludida por sua visão de mundo, faz uma transição mais que sofrida de seu castelo de sonhos para uma vida que a leva para a favela. Importante ressaltar que a favela retratada no livro tem as marcas de seu contexto de época.
Obra com muita ingenuidade no desenrolar, sem capítulos definidos (algo que não curti, entendendo na espontaneidade da autora), mas com certa beleza e força que seduzem, principalmente quando percebemos: vontade de revelar e trazer transformações.



Carolina de Jesus dá vazão a pensamentos diversos nessa obra. 
Traçando certo paralelo, "Quarto de despejo" traz um testemunho impactante, sem excessos dissertativos, simplesmente expondo realidade nua e crua. "Provérbios", fazendo jus ao nome, se traduz no raciocínio, visão de mundo, o que a autora gostaria ou pensa que deveria existir, seja em seu meio, seja na vida em diferentes aspectos. Antídoto para a miséria, o sofrimento, a dor e injustiças...
É desabafo confidente a amigo, sensação que os textos transmitem. Dá para perceber pela própria data de publicação, em 1963. Ora, mesmo ano em que Kennedy foi assassinado (fim de Novembro), vendo-se manifestações da autora, em que sua visão sobre o presidente é de lamento, pela perda de alguém em quem imaginava ação contra aquilo que lhe inspirava reação também.
Muita coisa é subjetiva, aberta a discussões, sujeita a discordâncias, mas todas são críticas em postura de insatisfação ou anelos (o que é importante).
Carolina fala de sabedoria, de amor, de injustiça, da fome, de más escolhas, do trabalho, da dignidade, da corrupção, de espiritualidade, enfim, o que via e pensava sobre.
Boa parte deu para reconhecer como versículos bíblicos, literais ou parafraseados, e sobre isso dou graças a Deus por quem transforma as palavras do Senhor em suas também, principalmente quando expressas na ação. Outra parte parece vir de descobertas na literatura universal, em frases mais rebuscadas (vivas para a aprendizagem de boas coisas!) e o que deu maior sensação como experiência e identidade da autora está na segunda metade do livro, onde há valorização de pensamentos específicos sobre o meio.
Encerro com frases do livro, melhor dizendo, provérbios (na forma como Carolina escreveu)
"Um povo inculto forma um país sem alicerce."
"Os tipos que quer nos conservar submisso atrofia o nosso ideal."
"É o homem quem faz guerra. É o homem quem sofre na guerra."
"Os países ricos pensam que são superiores. Um país com povo culto e pacífico é que é superior."

"Quando desiludimos de tudo, a vida perde o valor."
"A honra do homem é uma bússola em sua vida."
Leitura interessante e instigante para reflexões.


Obra póstuma, publicada na década de 1980, segundo as informações, como uma das últimas de Carolina, que entregou a jornalistas franceses. Antes de nosso país, teve edições na França e Portugal. 
É um livro muito interessante, em que Carolina resgata memórias da infância e adolescência, porém, estas vão além de sua biografia e, tal qual 'Quarto de Despejo' no impacto revelador sobre a favela, constitui-se também em um relato visceral sobre a sociedade preconceituosa, machista, exploradora e injusta no cotidiano do país.
Bitita (Carolina na infância), de maneira pragmática tem a percepção e descoberta de muitas coisas de seu contexto, provocando-lhe reações que variam entre a ingenuidade da menina e a criticidade da escritora. Ilustrando o primeiro aspecto, o posicionamento da menina em desejar ser homem ou em não querer ter ninguém quando crescer (reflexos ao que via do machismo) e, no segundo aspecto, observações sobre a história da escravidão em nosso pais, com considerações sensacionais.
O racismo, a exploração do pobre e a opressão à mulher são os temas mais presentes, em exemplos práticos observados e vivenciados por Bitita.
Chama também atenção o posicionamento idealista da menina, motivado e esperançoso de transformações pelo que lia e valorizava nos livros. Por conta disso, no contexto em que vivia de desapego a eles, muitos a interpretavam erroneamente e até mesmo canalizavam para mais preconceito, quando a viam com seus livros. É o que contou quando, no entusiasmo pela obra-prima de Camões, era rotineiramente vista com o clássico e um dicionário para ajudar na leitura. O povo dizia que era coisa de feiticeira e só podia ser o livro de São Cipriano. Diante dos fatos, persistia o entusiasmo da menina pela educação, pelo saber transformador, expressos na literatura... Alicerce para o que a motivaria em "Quarto de despejo'.
As histórias são ambientadas na segunda e terceira década do século passado, iniciando em Minas Gerais (principalmente em Sacramento) até a mudança para São Paulo. Os fatores determinantes foram o que Bitita relatava: exploração, pobreza, racismo.
Finalizando, as obras de Carolina são marcadas pela simplicidade textual e este livro é diferenciado nesse sentido. Tive impressão de ser, textualmente falando, o mais elaborado.
Gostei bastante, depois de "Quarto de Despejo" é a obra que mais curti de Carolina. Instiga muitas reflexões, infelizmente, ainda por coisas recorrentes em nossa realidade.


Antologia pessoal (1996)

Obra póstuma, publicada em 1996, quase duas décadas depois da morte da autora. Corresponde a uma de suas vontades, que em vida não conseguiu realizar, a publicação de sua poesia.
O livro traz introduções com um olhar sobre a obra e biografia de Carolina, em artigos que correspondem a quase um quarto da publicação. Em comum, observações sobre a simplicidade textual, algo notório que projetou a autora em "Quarto de despejo", mas que não teve a mesma repercussão nas obras seguintes, onde Carolina foi sendo olvidada em sua proposta inovadora no contexto de época. Acho que sofreu impactos do mercado voltado ao lucro e de visão cultural fechada em determinados conceitos. É o que os artigos sugerem...
Hoje é devidamente reconhecida como uma das mais importantes escritoras do país, pelas mesmas (e principalmente) singularidades que a tornaram conhecida.
No que é mais importante do livro, a poesia de Carolina tem a beleza singela da cultura popular, expressando-se com espontaneidade e simplicidade, em visão de mundo que tem lamentos (boa parte da poesia tem essa caracterização) mas sem declinar para a desesperança ou falta de entusiasmo pela vida. Os lamentos são saudosos de momentos felizes, de lembranças maternas ou em situações de perdas (filho, amigo ou alguém admirado). Também por falta de um amor, de trabalho e dignidade... Implicitamente trazem um posicionamento esperançoso, principalmente quando a poeta fala de espiritualidade e amor... 
Enfim, é uma beleza peculiar, algumas vezes bem-humorada ou com ingenuidade, e até mesmo com visão conservadora em certas coisas, que denotam sua simplicidade.
Deixo em registro "Meu Brasil" (um tanto ilusório, demonstrativo de percepção esperançosa), "Lua-de-mel" (história de amor desencantado), "Deus" (visão de igualdade que deveria prevalecer), "Súplica do encarcerado" e "Marginal" (parecem observações de fatos reais, de realidade recorrente, plenamente testemunhada) e "Quadros" (também parece devaneio sobre a própria vida). Referências em ilustração...
Dá sensação de que a poesia foi descoberta realizadora para a autora, ilustrada, por exemplo, em entusiasmo por certos poetas, a quem homenageia no mesmo caminho de suas inspirações (como a Casimiro de Abreu em "Meus oito anos", quando Carolina tem devaneios em expressões similares).

Obra publicada em 2014, centenário do nascimento de Carolina Maria de Jesus, com dois textos inéditos (Onde estaes Felicidade? e Favela). Traz também sete artigos interessantes sobre os livros e biografia da escritora, anexo fotográfico com o tema favela, além de imagens dos cadernos originais de Carolina. Os textos foram publicados conforme escritos, na ortografia que justifica o título. Uma forma de dar ênfase ao contexto de simplicidade e singularidade da autora.
Falando em simplicidade, "Onde estaes Felicidade?" é um conto de beleza singela, onde a felicidade é realidade com pouca coisa. As palavras iniciais a evocam como sonho comum (Não existe neste mundo, quem não acalenta um sonho intimamente. Quem não aspire possuir algo que lhe proporcione uma existência isenta de sacrifícios..) e a proposição de Carolina é uma história em que a percebemos como escolha em coisas simples, em que é possível ser muito feliz. 

Assim é o companheirismo valorizado na descoberta e entrega ao amor entre José dos Anjos e Maria da Felicidade. Tem essa linha de raciocínio, de sonho perto, possível, real, verdadeiro, presente, suficiente, simples e fácil, reservado para todos, bastando descobrir. Carolina era idealista e o conto expressa a felicidade sem impossibilidade, sem complexidade.
Esse mundo de felicidade fácil e plena é abalado pela chegada de uma pessoa. Um viajante, que se intromete na harmonia do casal similar a serpente no Paraíso, tentando, seduzindo e gerando nova visão na vida, despertando cobiça, instigando que algumas coisas da simplicidade são loucura, em realizações apegadas ao material. Felicidade sucumbe a essa sedução e parte com o viajante, provocando melancólica busca de José dos Anjos por ela: "Onde estaes Felicidade?". E também não é a busca de todos nós? Numa visão do que afinal seja...
Não é a única interpretação possível, porém, nestes termos, gostei bastante!
Não considero "Favela" um conto. É texto de confidências, em que Carolina conta sua história de chegada à favela, num misto de desabafo, ansiedade, decepção, esperança e desesperança... Tem a caracterização de seu apego aos diários como amigos íntimos, seus confidentes. Um desabafo, agora não só a seus cadernos...
Na parte dos artigos, todos são interessantes, mas curti principalmente:
- "Antes de ser mulher, é inteira poeta: Carolina e o cânone literário", de Mariana Santos de Assis. Me identifiquei com algumas de suas conclusões (como o fato de Carolina nunca ter se colocado como ativista de conotação política ou racial) e o texto faz abordagem detalhista do primeiro conto (embora em percepção diferenciada do que me impactou e guardei em associação).
- "Um diálogo com Carolina Maria de Jesus", de Fernanda Matos, especialmente pela abordagem a "Diário de Bitita", obra sensacional. "Quarto" impacta, enquanto "Bitita" disserta, sobre várias realidades nas observação e vivência de Carolina.
As fotos mostram a favela da atualidade. Em paralelo à realidade vivenciada por Carolina, é um mundo menos agressivo e mais organizado. Curioso que todas as fotos são coloridas, enquanto as fotos de Carolina e seu contexto (todas que até o momento encontrei) são sempre em preto e branco, acentuando mais a melancolia e drama que expunha em seus diários.

Obra póstuma, publicada em 1996, com três momentos diferenciados da autora, representados por mudança geográfica e social, com pensamento que exprimia no contexto. Os textos estão organizados na forma como Carolina Maria de Jesus ficou conhecida, em relatos de diário, que alguns denominam carolinianos. Mais que impressões pessoais, refletem a sociedade em uma parcela até então sem voz própria, em que a autora é tida como vanguardista pelo retrato autêntico e fiel, sem aprumo literário buscando valorização na estética, apenas como solitário desabafo. 
O livro resgata relatos da vida na favela Canindé, o primeiro momento da obra (Diários no Quarto de Despejo), onde se expressam dificuldades e solidão de amparo social, em lutas acirradas, comuns e cotidianas. O texto tem posicionamentos de revolta, tristeza, dor, variando entre esperança e desesperança. Um retrato humano, impulsionado pelo desejo de revelar, encontrar soluções, movido muitas vezes pela fome, raiva e desilusões.
Algo muito característico é que os diários tem a percepção de um amigo a quem se desabafa e compartilha intimidades. Entre as peculiaridades, a revolta de Carolina com a indolência dos homens, bebedeira e ignorância, principalmente quando há desapego ao conhecimento, representado nos livros. Essa é a razão de muitos verem seus diários como algo estranho, atípico àquele meio, o que justifica o título escolhido para a obra. A autora usa isso a seu favor, quase que como uma arma, no sentido de expressar que vai registrar o que testemunha e, entre alguns, soar como surreal e incompreendido desconforto. Acho que o conhecimento, a revelação, era como a exposição da nudez.
Uma parte muito forte, sem amenizações da autora, é o relato sobre a descoberta da sexualidade no contexto, em que crianças aprendiam coisas de maneira grotesca e impactante ao testemunhar discussões comuns, altamente pornográficas entre moradores. 
O segundo momento (Diários na Casa de Alvenaria), corresponde à mudança de Carolina para residência em outra localidade, em 1961, por conta do dinheiro que ganhou com o lançamento do "Quarto de Despejo" em 1960. Os relatos sugestionam que foram escritos após a publicação de "Casa de Alvenaria" (onde detalha melhor essa realidade nova), pois o respectivo livro e lançamento foram referenciados.
Reitero as mesmas impressões que tive quando li a obra, o momento expressa certa ilusão em Carolina, impulsionada pelo sucesso e sonhadora em seu idealismo. Acho que a maior ilustração disso é seu posicionamento não tão incisivo ao preconceito contra pobres e negros no início. Ela os descreve, parecendo, às vezes, entende-los como culpa também dos que são discriminados. Pesa aí um pouco do seu idealismo, e certa ilusão momentânea, como se tudo estivesse sujeito a cada um, talvez por conta do sucesso que teve.
No avançar dos relatos, percebemos que os posicionamentos vão sofrendo impactos e a euforia inicial vai dando lugar a crescente desilusão.
Carolina fala de políticos (como Juscelino e Ademar de Barros, em descontentamento e decepção), se sente enganada, crendo num retorno financeiro abaixo do que o sucesso do livro evidenciava, com frustração em alguns projetos. É como se percebesse outras dificuldades e injustiças no contexto, na sociedade, que não se resolviam apenas na satisfação do que mais lhe impactava na vida na favela. Um jogo de interesses escusos muito grande.
"Diários no Sítio", o terceiro momento, corresponde à mudança para a região de Parelheiros. Os relatos lembram o vigor em "Quarto de Despejo", com Carolina com criticidade incisiva ao preconceito, à injustiças sociais, insatisfeita e aborrecida. É um desabafo extremamente humano, calejado pelas experiências. 
Similar a outras obras póstumas de Carolina, o livro traz vários artigos. Destes, gostei principalmente de:
"A percepção de um brasileiro", de J. C. S. B. Melhy - destaca o contexto de surgimento de "Quarto de Despejo", onde havia movimento de valorização à crônica urbana, com Nelson Rodrigues exprimindo a vida como ela é, o que encontrou representatividade inovadora em Carolina de Jesus.
"Três utopias de uma certa Carolina" - Não consegui identificar o autor, faz síntese muito interessante sobre a obra de Carolina. O texto é curto e vale a conferida.

Com essa obra encerrei a leitura de oito livros de Carolina, que havia separado para minhas férias. Existem outros, gostaria de conhece-los também, mas estes foram os que tive acesso.
A leitura foi muito produtiva, trazendo reflexões sobre o contexto social brasileiro e sobre essa peculiar e esquecida autora no cenário nacional.
Tem sido redescoberta, mas em meios fechados, como o acadêmico, não costumando aparecer em livros escolares (o que precisa ser corrigido). Críticas também para o cinema nacional, que até hoje não a levou para as telas.


Conheça o disco lançado por Carolina Maria de Jesus, em 1961, no embalo do sucesso de seu livro "Quarto de Despejo", best-seller de 1960. Tem o mesmo nome do livro, com sambas raiz e outros ritmos populares, sobre o contexto dos diários de Carolina. 



Outras fontes interessantes, com link para os informes originais das revistas:
- Revista O Cruzeiro (Ano XXXI - Nº 36 - 20 de Junho de 1959) - Primeira reportagem sobre Carolina de Jesus em uma revista.
- Revista Manchete (Edição 560 - Ano 10 - 12 de Janeiro de 1963) - Encontro com uma jovem escritora ativista israelense (Yael Dayan)
- Revista O Cruzeiro (Ano XXXII - Nº 48 - 10 de Setembro de 1960) - Reportagem sobre o lançamento de "Quarto de Despejo", um sucesso com proporções inéditas.
- Revista O Cruzeiro (Ano XLIII - Nº 16 - 21 de Abril de 1971) - A pobreza voltou. Última reportagem na revista O Cruzeiro.
- Revista Manchete (Edição 439 - Ano 08 - 17 de Setembro de 1960) - Primeira reportagem sobre Carolina Maria de Jesus na revista Manchete.
- Revista Manchete (Nº 1096 - Ano 10 - 21 de Abril de 1973) - Última reportagem sobre Carolina na revista Manchete.

"Poética da Diáspora" - Documentário idealizado por Pesquisa Fapesp (2015).