As postagens desse blog são em caráter informal e de apego ao saber popular, com seu entusiasmo, exageros, ingenuidade, acertos ou erros.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Otoniel Alves de Alencar - O Apóstolo da Amazônia (Oton Alencar, 2017)

Está em suas mãos uma das principais obras da literatura evangélica recente, a biografia de Otoniel Alves de Alencar, eminente pastor expoente da Assembleia de Deus no Brasil.
A história de vida do Pastor Otoniel Alencar, hoje considerado O Apóstolo da Amazônia, é uma verdadeira saga de cunho universal, eternizada por meio dessa obra, de autoria do filho Pastor Oton Alencar.
Ainda menino, indagava os pais sobre a origem da Terra e do Universo. Aos quinze anos, ainda adolescente, converteu-se ao protestantismo e logo se tornou fervoroso evangelista a semear a palavra de salvação.
Bem, a partir daí você vai ler e saber de toda essa história.
 
BESALIEL RODRIGUES

INFORMAÇÕES DO LIVRO
Título: Otoniel Alves de Alencar - O Apóstolo da Amazônia
Autor: Oton Miranda de Alencar
Editora: Gráfica JC
Ano: 2017
Páginas: 196


O ano de 2017 é diferenciado para os evangélicos no Amapá. Além dos 500 anos da Reforma Protestante, celebramos também o centenário da chegada dos evangélicos em nosso estado, representados em primeiro momento pela Igreja Evangélica Assembleia de Deus, e o centenário do pastor Otoniel Alves de Alencar, que com méritos ficou conhecido entre os assembleianos como O Apóstolo da Amazônia.
Esse livro foi um dos marcos no cronograma de festejos, apresentando a biografia de Otoniel Alencar, resgatada pelo pastor Oton Alencar, filho e atual presidente da Assembleia de Deus A Pioneira.
Literatura preciosa, ressaltando vários aspectos do cenário histórico da Amazônia e Amapá no século 20. Esse contexto foi uma das coisas que mais gostei, onde vemos uma trajetória de empenho, lutas, superação e abnegação em histórias edificantes para a cristandade, revelando detalhes curiosos e emocionantes, que se fundem com a consolidação da Igreja Assembleia de Deus no Amapá.
Merecem destaque na leitura: o início do pastorado no Maranhão, o estabelecimento em Cruzeiro do Sul, no Acre, e a chegada em Macapá no ano de 1962, quando a igreja local tinha apenas o templo sede e uma congregação, expandindo por todo o estado nos 32 anos de ministério do pastor Otoniel.
O pastor passou por vários estados e no Norte foi o único a ser presidente da Assembleia de Deus em três capitais (Boa Vista, Manaus e Macapá).
Interessantes também os contrastes que percebemos na igreja, vendo-se caracterizações no início, como a necessidade dos pastores receberem o batismo pentecostal (razão do pastor Otoniel ser efetivado no pastorado dez anos após a conversão, mesmo trabalhando com afinco na obra - certamente um período de preparação para as experiências que passou em seu ministério).
Leitura imprescindível para quem deseja descobrir boas e edificantes histórias no viver cristão. Fantásticas e emocionantes pela disposição ao IDE de Jesus.
O único ponto que não gostei foi a ausência de uma linha temporal. Pastor Oton tem um texto bonito, elegante e instigante, de agradável leitura, pontuando muito bem os relatos. Mas a datação fica um pouco dispersa, não ficando tão evidente para o leitor. Penso que a linha temporal valorizaria mais o livro.
A obra traz também acervo fotográfico e testemunhos dos filhos.
 
Página 193, exemplificando o acervo fotográfico do livro.

Veja um trecho (resumido) para percepção de cada capítulo, 
na apresentação do autor:


Alguns fatos aqui contados foram narrados por ele próprio, outros eu vivi com ele quando passei me entender por gente. Outros episódios foram narrados pelos seus irmãos.
No Capítulo I, vou buscar nos escaninhos da minha mente as primeiras lembranças na convivência com o meu pai. O foco é Cruzeiro do Sul, cidade perdida no interior do Acre, lugar onde lampejou as primeiras reminiscências do meu existir. Foram 4 anos de provas e aprendizagens nos quais o pastor Otoniel foi testado no cadinho das provas que se habilitam os chamados para Deus.
No Capítulo II, mergulho na busca dos seus ancestrais.
No Capítulo III, abordo o seu nascimento e infância. 
No Capítulo IV, falo da sua iniciação religiosa. Falo da sua conversão aos 15 anos e sua devoção para com as coisas de Deus. 
No Capítulo V, discorro sobre o seu casamento e a sua vida nômade. 
Já no Capítulo VI discorro sobre as igrejas abertas e a perseguição religiosa. Talvez esse capítulo entre os outros seja o mais comovente.
No Capítulo VII narro a sua saída do meio da parentela, tal qual Abraão, atende o chamado de Deus e vai evangelizar o norte e nordeste brasileiro. Foi o primeiro e único pastor a pastorear 3 capitais do norte do Brasil. Por isso o título lhe cabe bem - O Apóstolo da Amazônia.
No Capítulo VIII, descrevo sua vida em Cruzeiro do Sul. Ao ler esse capítulo, o leitor vai descobrir que o pastor Otoniel viveu verdadeiras epopeias. É um capítulo para ler e reler.
Depois vem o Capítulo IX. O pastor Otoniel vai pastorear a aprazível cidade de Parnaíba - a Princesa do Mar (seguindo-se outras histórias).
Já o Capítulo X vem com o tema: Macapá - A outra metade do seu ministério. Como esse período é muito longo, eu divido por décadas.
Capítulo XI, falo dos fatos ocorridos na década de 60.
No Capítulo XII, falo da década de 70.
Já no Capítulo XIII, uni as décadas de 80 e 90.
O epílogo é composto por depoimentos dos 9 filhos sobre o pastor Otoniel. Depoimentos eivados de um misto de verdade e emoção.


Emocionante, interessante e edificante! 
Olha, até rimou! 

domingo, 12 de novembro de 2017

O controle social exercido pela ICOMI como estratégia de usos e ação sobre o território no Amapá, de 1960 à 1975 (Elke Daniela Rocha Nunes)

As abordagens e conceitos sobre a ICOMI, em um contexto popular, ressaltam sua importância com saudosismo e ênfase ao desenvolvimento promovido, geralmente resultantes de experiências vivenciadas nos áureos tempos da Empresa.
O direcionamento nesse livro está na valorização da investigação histórica, onde se evidenciam aspectos não tão conhecidos e que, de certa forma, surpreendem e propõem visão diferenciada.
A autora, ELKE DANIELA ROCHA NUNES, professora da UNIFAP, aborda a ICOMI na perspectiva do capitalismo que a movimentou e levou a criação de estratégias para manter o domínio na região. Um governo fechado em paralelo ao governo territorial, que apresentou uma série de influências sobre o meio social em mecanismos de controle para sua ação.

O primeiro aspecto abordado foi o resgate da história da região serrana, desvinculando da ideologia de que era um lugar abandonado, citando-se cultura extrativista, de subsistência e garimpagem presentes. Atividades que gradativamente se restabelecem, ainda que timidamente, após a saída da ICOMI, em uma história que fora obliterada.
Segundo a publicação, uma das estratégias de propaganda da Empresa foi de construir uma imagem de abandono e desocupação da região, com necessidade de sua instalação em condições irrestritas para promoção do progresso e benefícios. Nesse ponto, o Amapá é citado como mais benevolente com a Empresa do que o contrário, no ganho que teve. Chama a atenção a argumentação de que o minério explorado, de qualidade excepcional no cenário mundial, que fora escape e fortalecimento aos EUA na Guerra Fria, deveria ser equiparado em valor semelhante ao do petróleo. O que redundou para o território ficou em torno de 4% do que representava no mercado mundial.
A questão da construção das vilas operárias (Serra do Navio e Amazonas) e todo o complexo da ICOMI, na caracterização de sociedades fechadas meticulosamente controladas, é abordada no contexto da ideologia fordista. Uma maneira de potencializar o controle empresarial em prol dos ganhos, com produção em larga escala e controle sem interferências.
O recorte temporal (de maior evidencia desse aspecto) foi registrado pela autora entre 1960 a 1975, correspondendo a fundação das vilas até o momento que esse modelo começou a perder força.
Interessante que o estudo ressalta o controle em muitos e sutis (ou não) detalhes, diretamente ligados à forma de vivência no complexo. Funcionários de níveis diferentes em hierarquia eram separados para não afetar o rendimento no trabalho, por isso a separação em convivência e muitos contrastes, como as casas.
Havia rigidez para muitas coisas, até para festas informais, quando a distribuição de bebidas se dava por barril de chopp, exemplificando outra forma de estabelecer controle sobre a vida social.

Incentivos para maior eficiência incluíam premiações com bens materiais e destaque nas antigas revistas ICOMI.
O cenário é de controle social, rigidez na rotina e exploração, onde os maiores beneficiados eram funcionários vindos do sul e sudeste. A população local privilegiada era apenas dos funcionários, fechando-se essa sociedade para a realidade externa, que na prática vivia à margem do desenvolvimento aclamado. As compras restritas aos funcionários no mercado ilustra isso.
Vemos também pequenas estratégias que os funcionários usavam para fugir do controle rígido, como as compras no cartão para os colonos. Minha mãe fazia isso, como muitos serranos.

As estratégias de governo fechado também são apontadas como causa da involução das vilas após a saída da empresa, por conta da dependência gerada e pouca autonomia do governo territorial nessa região. A dependência da ICOMI impossibilitou o fortalecimento da sociedade. Basicamente, subserviente e sem conquistas em construções democráticas. Tudo era gerenciado e dominado pela empresa sem a participação popular, fadada à dependência em mecanismos pré estabelecidos.

Há referências também à degradação ambiental promovida pela Empresa, onde se destaca o estudo da contaminação no Elesbão em Santana pelos rejeitos de manganês, seja pela infração de ser estocado em larga escala em uma região habitacional ou pelo repasse como material complementar na pavimentação asfáltica.

O capítulo que mais gostei foi o quarto. Tem abordagens sobre a história e peculiaridades das Vilas de Serra do Navio e Amazonas, o Porto de Santana, a Ferrovia e circunvizinhança, como a Baixada do Ambrósio, Vila do Cachaço e Elesbão. T
ambém é excepcional o terceiro, na visão do controle social.

A obra foi publicada em 2014 pela UNIFAP. Uma leitura de descobertas e aprendizagens de maneira interessante e prazerosa.

INFORMAÇÕES DO LIVRO
Título: O controle social exercido pela ICOMI como estratégia de usos e ação sobre o território no Amapá, de 1960 à 1975
Autora: Elke Daniela Rocha Nunes
Editora: UNIFAP
Ano: 2014
Páginas: 172

SUMÁRIO
1) Contextualização da produção mineral na Amazônia
2) Estratégias de poder e apropriação do território: a ICOMI no Amapá
3) O cotidiano do trabalhador da ICOMI dentro e fora do espaço fabril: como se efetivava o controle social
4) Ação e controle para uso do território

Em valorização da informação, registro o que a autora enunciou sobre cada um dos capítulos:

"No Capítulo 1 procurou-se contextualizar os processos de ocupação da Amazônia, bem como o início da produção regional nessa região, mais enfaticamente o Projeto ICOMI no Amapá e como se deu o processo de controle e uso do manganês. Neste momento, já se inicia uma breve análise, tratando de algumas questões consideradas mais atuais.
No Capítulo 2 foram feitas análises sobre o significado do processo de implantação do empreendimento produtivo mineral no Amapá e ainda tenta demonstrar como a hierarquização resultante da combinação destas diversas formas de controle social poderia corresponder a uma estratificação das condições de inserção dos trabalhadores no processo produtivo propriamente dito.
No Capítulo 3 buscou-se fazer uma exposição de como as formas de controle social efetivadas pela ICOMI foram utilizadas como estratégias de poder junto aos seus trabalhadores, subordinando-os às estratégias, normas e modelos de comportamento mais adequados aos interesses da Empresa, para garantir a apropriação do território. Procurando mostrar como as formas de controle efetivam-se materialmente pela constituição das vilas operárias, da estrada de ferro, dos usos do território, pela instalação do porto, bem como, simbolicamente por premiações, campeonatos, publicação de periódicos entre outros.
O Capítulo 4 busca analisar a forma como a ICOMI administrava a EFA, o Porto de Santana e as vilas operárias, bem como a região das minas. Ainda esclarece a relação que foi estabelecida com essa circunvizinhança."

LEITURA INDISPENSÁVEL PARA ESTUDIOSOS
SOBRE A ICOMI NO AMAPÁ.

NA ATUAL CIRCUNSTÂNCIA, O LIVRO PODE SER CONSULTADO NA BIBLIOTECA DA UNIFAP.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Biblioteca Municipal e Ambiental de Serra do Navio

Em passagem por Serra do Navio (Outubro/2017) visitei a Biblioteca do Município e fiz alguns registros, que divulgo em caráter informal como apreciador desses locais de pesquisas.
Imagens do Google Maps
Está bem localizada (no prédio onde funcionou o restaurante dos funcionários da ICOMI) e foi inaugurada em 2005, através de uma parceria entre os governos do município e estado. Ora, Ora! Brincando com a informação, puxando para a área da leitura: um típico exemplo de que não só de pão viverá o homem... E não é?
Atende nos dois horários diurnos e tem média mensal de 40 visitantes, entre pesquisadores, turistas e a comunidade estudantil.
Não é preciso ser um grande observador para notar algumas carências, ressaltando-se a necessidade de reformas e enriquecimento do acervo de livros, rotineiramente procurado pela importância histórica da região.

Vou enviar essas publicações para os amigos de lá, assim que entrar em contato. Seria extremamente positivo se a biblioteca tivesse mais obras sobre a ICOMI e literatura amapaense. Há escassez nesse sentido. Alguns desses materiais são doações minha, de meu local de trabalho e do amigo Paulo Tarso.

Olha que legal! Encontrei esse cordel na biblioteca. Uma homenagem à Serra do Navio, por Jonas Cândido Sobral (VEJA AQUI).

Amigos da Biblioteca de Serra do Navio.
 “A leitura é para a mente o que o exercício é para o corpo.”
(Richard Steele)

CONHEÇA E VALORIZE NOSSAS BIBLIOTECAS!

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Meu Brasil Adorado (Cordel de João Cândido Sobral)


"A poesia é para o gênero humano, nestes tempos de materialismo e angústias, um recado de Deus à humanidade, lembrando que o amor existe e a ternura é o violino sublime capaz de encher de melodia as cordas suaves do coração.
Ser poeta é retirar da vida as emoções que aperfeiçoam a alma. Jonas Sobral, alma que aprendeu na sua vida adoçar com seu canto de amor...
Tenho certeza que apresento a você um poeta cuja ternura e inspiração é capaz de trazer à alma os acordes melodiosos do verso, recitando sagradas e puras emoções...
Vai, amigo Jonas! Semear o chão do poema e
colher na ternura da amizade os mais bonitos sentimentos."
Ildegardo Alencar (Apresentação)

INFORMAÇÕES DA OBRA
Título: Meu Brasil Adorado - Cordel
Autor: João Cândido Sobral
Editora: Edição do autor
Páginas: 57
Ano: 1998 (?)



Encontrei essa obra na biblioteca de Serra do Navio. Um cordel com uma singela declaração de amor por aquela terra, nos versos de Jonas Cândido Sobral. Pernambucano que, como tantos migrantes, apaixonou-se pelo lugar, a quem homenageia falando das belezas naturais, amizades e peculiaridades, sem deixar de ter a percepção crítica nas transformações que nossa querida Serra do Navio (falo como filho da terra) vem sofrendo desde o fim da ICOMI na década de 1990.
O livro misturou-se à minha nostalgia de infância e reconheci muita coisa. Cerca da metade é dedicada à Serra do Navio e o restante é uma homenagem à outros estados por onde o autor passou também: Ceará, Maranhão, Minas Gerais, Bahia e, logicamente, Pernambuco.
A melhor parte refere-se à Serra do Navio, pois as demais resumem-se a citação de lugares e cidades. Oche! Esse momento não curti.
Ah, mas na parte serrana o cordel é uma viagem legal e emotiva em seus versos simples.
Fiquei curioso em algo. O autor, entre suas amizades, cita um mecânico de nome Osvaldo que foi substituído na década de 1990. Epa! Pera lá! Isso casa certinho com informação sobre meu pai. Não dá para afirmar nada, mas cabe um: será? Ora, se não...
Vou te contar! Encontrei o cordel de curioso, fuçando as estantes da biblioteca e, diante do achado, tratei logo de providenciar a digitalização com os amigos. É uma obra antiga, que não encontramos mais em circulação.
Ah, minha Serra! Sua fama pela bela vila é coisa cada vez mais restrita às lembranças de quem viveu os áureos tempos da ICOMI, porque o cenário atual é de abandono e degradação constante e crescente de cortar o coração. Já não existe a praça como foi cantada no cordel, nem o velho MEC em sua imponência, entre outras coisas. Que pena! Da janela do automóvel, e nas andanças, vi tanta mudança, longe do que guardei em minha memória e longe do que canta o cordelista.
Algo que surpreendeu positivamente foi ver as montanhas ao longe cobertas de um verde bonito e bucólico cercando a cidade, onde eram só encostas nuas dominadas por tratores.
Gostei do Cordel! Valeu pela saudosa viagem ao passado.

"Passo um dia em Santana
Outro dia em Macapá
Logo me lembro da Serra
Dos meus amigos de lá
Distante dessa cidade
Eu não consigo ficar.
.....
Na região da Serra
Desta cidade preferida
Suas belezas naturais
Precisam ser conhecidas
Querida Serra do Navio
Jamais serás esquecida.
.....
Serra do Navio
De vila passou a cidade
O sonho do pessoal serrano
se transformou em realidade
Minha Serra do Navio
De ti levarei saudade."

Já que o momento  é  de belas lembranças de Serra do Navio,
veja aí duas imagens que justificam a melancolia no saudosismo.
Palco do MEC (Manganês Esporte Clube) em celebração do Dia das Mães no início da década de 1980. Em destaque, meu irmão Rogerson Castelo, aluno do primário, ao lado da Professora Regina (se não estiver enganado). Pensa numa professora querida e carismática junto da criançada! Tinha até quem chorasse quando descobria que não faria parte das turmas dela. Até os alunos mais bagunceiros gostavam de estudar. Ô tempo de bonitas recordações...
Palco do mesmo MEC, em registro que fiz em outubro de 2017. Nada mais a declarar...

O cordel de João Sobral está disponível para consultas na Biblioteca Municipal de Serra do Navio e Biblioteca Ambiental da SEMA em Macapá.